Título: O poço e o Pêndulo
Original: The Pit and the Pendulum
Autor (a): Edgar Allan Poe
Número de páginas: 8
Ano: 1842
Tradução: Cássio de Arantes Leite

Conto disponibilizado pelo desafio literário #12mesesdepoe 2017 (criado pelo blog Anna Costa) para o mês de agosto.

Há quanto tempo estou preso nesta cela? Tem um poço sem fundo abaixo de mim. Acima, há um pêndulo com a ponta afiada como lâmina. Demônios horrendos decoram as paredes de metal. Minhas únicas companhias são ratos com olhos grandes e redondos e o eco da minha voz aterrorizada. Acho que estou enlouquecendo. O pêndulo está descendo? O poço está ficando mais largo? Os demônios estão começando a sorrir?

Um homem foi sentenciado de morte por um crime que não foi especificado em sua narração (pelo menos não consegui compreender se apareceu qual foi o crime). Mas a questão é que ele está à beira da morte e castigados pela Alta Inquisição, e fora jogado em uma espécie de calabouço escuro e úmido.

Nesse local ele consegue descobrir que há um poço, nas paredes aparecem figuras monstruosas e acima de si aparece um pêndulo que pretende cortá-lo ao meio aos poucos. Para sua agonia o pêndulo vai descendo cada vez mais e ele sabe que não há como escapar, mas sua esperança ainda existe, pouca mais existe.

Assim, temos um final surpreendente e de tirar o fôlego...

O conto é breve, mas bem detalhado, exatamente ao estilo Poe de escrever.
"Um ligeiro ruído chamou minha atenção e, olhando para baixo, vi inúmeros ratos enormes passando pelo chão. Haviam saído do poço, que eu mal podia enxergar à minha direita. Mesmo então, enquanto os observava, eles subiam aos bandos, apressados, com olhos famintos, atiçados pelo cheiro da carne. Desse momento em diante foi-me exigido tremendo esforço e concentração para espantá-los."

Cada palavra usada pelo narrador, fez eu me sentir agoniada, temendo pela vida do mesmo, sendo que nem sabia qual era o crime ao qual ele havia sido sentenciado.

Isso reflete para o meu  pensamento pessoal de que toda vida tem seu valor, e  que há outras formas de punir ou melhor, fazer a pessoa se redimir, e com isso "ganhando" uma vida, ao invés de tirá-la.



11 Comentários

  1. Oi tudo bem?

    Não leio muitos contos por ora esse não me chamou tanto a atenção não curto muito livros com mortes/sofrimentos e tal acabo sofrendo mais que o personagem hahaha então dessa vez passo a dica.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, tudo bem... Obrigada pelo comentário :)
      Beijos!

      Excluir
  2. Oiee Ana ^^
    Sabe que eu também participava do desafio, mas só consegui cumprir o primeiro mês? Que vergonha kkkk' desisti dele recentemente, pois percebi que não iria ler os outros contos mesmo :/
    Pelo o que eu percebi, esse é um conto um tanto pesado, não? Acho que por ser narrado por alguém que vai morrer (e o leitor não sabe se a pessoa cometeu ou não o crime), os sentimentos que o leitor sente são bem conflitantes, né? Vou ver se leio ao menos este conto, fiquei curiosa.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana!
    Caramba, eu fiquei arrepiada com essa resenha. hahaha
    Poe tem um dom de arrepiar, não tinha lido esse conto dele, mas curti bastante. Vou correr atrás do atraso. rs
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  4. O post em si me deixou agoniada hahaha a capa do conto, a foto com o ratinho, entrou no clima perfeitamente! Eu quem sou medrosa. Acho que parte dessa agonia vem pelo fato de quem narrar saber o que irá acontecer com o mesmo, você já se imaginou nessa situação? Deve ser desesperador.

    ResponderExcluir
  5. Oi. :)
    Nunca li nada do Edgar Allan Poe, mas não por falta de vontade. Acho bem macabro seus livros e isso me agrada.
    Esse conto não conhecia, mas pela sua resenha fiquei curiosa pra saber o final...
    Blog As Meninas Que Leem Livros - Lauri Brandão

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana,
    Já tentei ler Poe, mas não consegui simpatizar com a escrita dele.
    Fiquei curiosa para conhecer esse conto, visto que você falou tão bem dele. Gostei de saber que o final é surpreendente.
    Adorei sua resenha e a foto, que está assustadora.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Nunca li nada do Poe, mas com certeza está incluído nas minhas leituras futuras.
    Apenas aguardando um momento menos angustiante para aguentar as histórias hehehehe
    Gostei da sua opinião sobre as formas de punição também, sempre podemos ter alternativas né?
    Um beijo

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  8. Gostei bastante de sua resenha... Muito bem escrita <3
    Porém não curto muito o gênero a qual ela pertence, portanto, prefiro passar a dica, mas, tenho umas amigas que curtem leituras assim, principalmente se for desse autor, então vou indicar seu post para elas.
    Bjo

    ResponderExcluir
  9. Hi baby, tudo bem? não conhecia esse conto mas gostei bastante da premissa, mesmo que nada seja muito revelado, o que também é ótimo! imagino a agonia que você sentiu ao ler, fiquei morrendo de vontade de ler também! parabéns pela resenha

    Lilian Valentim
    https://speakcinema.blogspot.com.br/
    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Olá, Ana

    Eu nunca li nada do Poe e quase participei desse projeto, mas optei por outro da Clarice Lispector. Achei a imagem inicial bem forte, deu agonia aqui. E eu gosto de contos, e fiquei satisfeita em saber que apesar de curto ele é bem detalhado.

    Beijos

    ResponderExcluir

Adoraríamos saber o que você achou do post!

Categorias