Título: As Luzes Mais Brilhantes
Autor: Augusto Alvarenga
Número de páginas: 205
Ano: 2017
Editora: Astral Cultural

LIVRO CEDIDO PELA EDITORA ASTRAL CULTURAL


Julién passou por uma fase terrível e seu coração ainda está despedaçado. Agora, ele decidiu viver um dia após o outro, tentando compreender as particularidades dessa cidade enorme que é São Paulo, onde ele vive, mas se sente sozinho. Porém, um dia, quando cruza a Avenida Paulista de bicicleta, ele tromba com Bruna, a aprendiz de cineasta mais diferente que já viu. Por causa desse momento tão inesperado - e quase trágico -, eles decidem tomar um café. E, depois desse café, nada mais foi como antes. Talvez algo possa surgir entre as luzes mais brilhantes da Paulista e repetidos cafés no Starbucks. Talvez eles – e os leitores – possam descobrir se e existe ou não amor em SP.

O livro se passa na cidade de São Paulo Capital e já de inicio percebemos isto.  Julién vive sozinho em um apartamento na paulista, trabalha numa livraria e passa o restante do tempo entre seus livros e CDs (adquiridos no lugar que trabalha) ou por SP com a melhor amiga Mariana. Logo de início vemos que a relação entre ele e a própria mãe é bem conturbada, já que a mesma o abandonou e agora mora em Paris com o namorado. Durante o desenvolver da história entendemos melhor tudo o que aconteceu e como ele desenvolveu um tipo de depressão terrível por causa disso. Mas não é só nisto que o livro tem seu foco, já que o ponto principal é a relação entre Julién e Bruna.

Os dois se conheceram de uma forma bem... Incomum (no spoilers here) mas acabaram se dando bem. Durante o livro vemos a paixão entre os dois aflorar e um romance crescer, mas na minha opinião o romance ficou muito meloso (desculpem, não consegui encontrar a palavra que representa o que senti diante do romance).
"- As vezes, Bruna, há mais que uma pessoa pode fazer além de dizer alguma coisa. Você foi profissional nisso."

Apesar de parte essencial da história, achei que o apego e a forma como foi desenvolvido, sem comentar algo que acontece mais no final que eu fiquei tipo “Ok, isto não ocorreria na vida real... ou ocorreria?”, ficou uma coisa, não diria forçada, mas sabe quando as pessoas se apaixonam por necessidade e não por amor? Foi meio assim. Além das frequentes observações de Julién a cada minimo detalhe da Bruna que não acresciam em nada na história.

O livro é narrado em primeira pessoa por Bruna e Julién o que é bom, pois conseguimos conhecer melhor ambos os personagens e seus sentimentos, mas no fundo ainda achei que faltou um “quê” a mais para a obra ficar completa. Bem no fundo é a narração de um romance se desenvolvendo com um dos personagens sendo um tanto problemático por causa de tudo que enfrentou durante a vida. Também achei que faltou um ponto final na parte que envolvia a mãe dele, um fechamento mais detalhado, sei lá.


Os pontos altos do livro para mim foram as ambientações. O Autor conseguiu me levar para São Paulo e a vários pontos turísticos. Apesar de ser natural de Minas Gerais ele fez o trabalho direitinho e detalhou muito bem todos os lugares em que as cenas ocorrem, adorei. Também adorei que a protagonista Bruna é negra e tem orgulho do seu cabelo afro, dando um show de estilo a cada aparição. É bom ver que os autores estão saindo os estereótipos perfeitos de mulheres magras, loiras, altas, brancas e coisas assim.

Recomendo o livro para pessoas que estejam de bem com a vida e não serão afetados pelo mal estar psicológico de Julién. Também para quem gosta de São Paulo, ou até para quem vive lá, mas assim como a Bruna não conhece muitos pontos turísticos (vai receber ótimas dicas aqui).

P.S. Amor inexplicável pela capa do livro. Com certeza uma das mais bonitas da minha estante. <3



6 Comentários

  1. É, Nina, a gente tem certa dificuldade de digerir as relações muito "certinhas", parece que elas são muito forçadas, eu até acho que ocorram, mas a gente só tem notícia das relações conturbadas e briguentas, senão, sangrentas...
    Aliás, a natureza humana é bem complexa e lidar consigo mesmo já é complicado, lidar consigo e com o outro não é coisa para "fracos"... rsrsrsr
    Mas, voltando ao livro, eu achei a capa maravilhosa e a história deve ser bem fofa também, mas a gente sempre sente uma necessidade de um "climinha de embate" para torcer por um, pelo outro, ou pelos dois, ajuda a esquentar o clima! Mas, está anotado!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Nina lembro-me que havia esse livro para a solicitação da editora e acabei escolhendo outro, sei que deve ser uma leitura extremamente fofa e eu adoraria dar a oportunidade, alem do mais essa capa está apaixonante.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina, eu li uma outra resenha que havia ressaltado esta parte da ambientação, o que me deixou bem empolgada, visto que moro em São Paulo e adoro ler algo de onde eu conheço o lugar. Como se tivesse dentro da história.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  4. A capa está muito linda e pela premissa parece ser legal, mesmo com suas ressalvas. Assim que possível vou querer emprestar hehe

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Essa coisa de não se tratar de uma coisa não muito realista é bem complicada mesmo, afinal não passa uma veracidade. Apesar de amar fantasia, não gosto de amores forçadas ou bem imaginativos. Poderia ser uma barreira para lê-lo, mas fiquei bem curiosa pelos pontos positivos. Ótima resenha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Imagino como deve ter sido ficar incomodada por essas partezinhas do livro, mas no geral me pareceu um livro bom, pena que agora não estou lendo muitos romances melosos, mas o coloquei na minha lista caso eu tenha vontade de pegar algo do tipo pra ler. Achei o personagem muito interessante e quero saber como a escritora desenvolveu o fato de ele ter depressão.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Adoraríamos saber o que você achou do post!

Categorias