E hoje trago mais uma parte do desafio literário 12 Meses de Poe. Esse é o poema lido no mês de agosto. Confiram:

Os Sinos Dobram

I
Ouça os trenós com o dobrar -
de sinos de prata a dobrar!
Que mundo de júbilo o som redobra!
Como tangem, tangem, tangem,
No frio ar da noite!
Enquanto o céu estrelado se desdobra
Todo o céu se assombra
Com alegrias cristalinas;
Marcando tempo, tempo, tempo,
Tal um ritmo de antigo tempo,
E soam ressoam em música ressoam
Dos sinos que dobram, dobram, dobram,
Dobram, dobram, dobram -
Ressoam e tangem os sinos dobram.

II
Ouça os sinos em núpcias dobram,
Dourados sinos dobram!
Que mundos de alegria em harmonia redobram!
No perfumado ar da noite
Eles ressoam com alegria!
Em notas de derretido ouro
E em tal melodia
Em simples sons flutua,
Às pombas que ouvem, então gorjeiam
No luar!
Oh, de espaços ressoando,
Que jorro de euforia se avolumando!
Como dobram
Como redobram
Ao futuro! Como soam
Em encantos que ressoam
Ao soante e ressonante dobrar
Dos sinos que dobram, dobram, dobram,
Dobram, dobram, dobram -
No ritmo e rima os sinos dobram!

III
Ouça: em alto som os sinos dobram
De bronze os sinos dobram!
Que conto de terror em clamor redobram!
Os alarmados ouvidos da noite
Como eles gritam de susto!
Muito horrorizados para falar,
Ficam a gritar, a gritar,
Sem sintonia,
Em clamoroso apelo à piedade ao fogo,
Em louco protestar contra o surdo fogo,
Saltando acima, acima, acima
Que o desespero anima,
Em resoluto esforçar,
De agora ou nunca
Junto a face pálida da lua!
Oh, os sinos dobram, dobram, dobram,
Num relato do terror redobram
De desespero!
Como eles soam, tangem e bradam
Que horror eles vertem
No seio do ar palpitante!
Ainda de ouvir pode se saber,
Em dobrares
E em redobrares,
Como o perigo vai e vem:
Ainda ao ouvido dobram,
Assim tangem
E assim bradam,
Enquanto o perigo sobe e desce,
E ao subir e ao descer na fúria dos sinos que dobram,
Os sinos dobram,
Dobram, dobram, dobram, dobram,
Eles dobram, dobram, dobram -
No clamor e no ardor os sinos dobram!

IV
Ouçam: os sinos dobram
De ferro os sinos dobram!
Que mundo de solenidade a monofonia redobra!
No silêncio da noite
Trememos de pavor
Da melancólica ameaça deste tom!
Para cada som que flutua
Das goelas em ferrugem atua
Um gemido!
E as pessoas – ah, as pessoas -
Que habitam nas cúpulas,
Tão sozinhas,
E que tocam, tocam, tocam,
Em abafada monotonia,
Glorificados quando rolam
As pedras sobre nossos corações!
Eles não são homens nem mulheres,
Não são bestas nem são humanos,
São espectros:
E o rei deles é quem soa,
É ele quem ressoa, ressoa, ressoa,
E redobra
Os louvores que os sinos dobram!
E os seus peitos se atordoam
Com os louvores que os sinos soam;
E ele dança e ele urra;
Marcando tempo, tempo, tempo,
Num tipo de rima de antigo tempo;
Aos louvores que os sinos dobram,
Marcando tempo, tempo, tempo,
Ao golpear dos sinos que dobram -
Dos sinos que dobram, dobram, dobram -
Ao soluçar dos sinos que dobram;
Deixando tempo, tempo, tempo,
Quando ele ressoa, ressoa, ressoa,
Numa feliz rima de antigo tempo,
Ao rolar dos sinos que dobram,
Dos sinos que dobram, dobram, dobram,
Do badalar dos sinos que dobram,
Dos sinos que dobram, dobram, dobram,
Que eles dobram dobram, dobram -
Assim lamentosos e gementes eles dobram!

(Edgar Allan Poe*)

*Tradução: Leonardo de Magalhaens. Disponível em: The Bells.

Achei incrível que se lermos em voz alta fica parecendo que nossa voz é um sino batendo, graças a essa repetição de palavras usadas exatamente para tal finalidade.

Espero que tenham gostado!




7 Comentários

  1. nossa que lindo o poema, eu amei S2, gosto muito de poemas, e tenho um livro onde escrevo as que eu gosto e essa vai entrar na lista com certeza

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Nunca li nada do autor Edgar Allan Poe, tenho muita vontade de conhecer seus contos, suas obras. Mas, enquanto isso não acontece, vou degustando as postagens alheias. :)
    Ótima escolha.
    Nizete
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  3. Olá, eu li esse poema no desafio e também achei super bacana essa sonoridade que ele tem com a repetição das palavras.

    ResponderExcluir
  4. Que legal que está curtindo tanto esse desafio, espero que renda ótimas leituras para você!
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?
    Tenho que admitir que tenho um certo trauma do Poe. Meu primeiro contato com a obra do autor foi um verdadeiro desastre, porque eu era muito nova, mas aí acabei criando um bloqueio e não consigo me interessar por ler nada dele.
    Por esse motivo, eu ainda não conhecia esse poema. Apesar de não ser fã de poesia, achei esse interessante e bem construído. Mas não reparei nessa sonoridade que remete ao sino batendo haha.
    De qualquer forma, fico feliz que você esteja gostando do desafio e espero que as próximas leituras sejam ainda melhores.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Nossa que interessante porque eu tive a mesma sensação quando li em voz alta! Nunca li nada do Poe (até agora né kkk) mas gostei bastante desse poema. Quero muito ler outras obras do autor.
    Parabéns pelo post!

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  7. Que lindo! Sou apaixonada por poesia... ainda não tinha lido nada do autor, mas achei muito interessante :)
    Beijos!

    ResponderExcluir

Adoraríamos saber o que você achou do post!

Categorias