(Créditos na imagem)

Olá, pessoal! Tudo bem?

Hoje trago o poema que li para o mês de março no Desafio 12 meses de Poe.

ANNABEL LEE

Há muito, muito tempo, existia
num reino junto ao mar,
uma donzela que eu sabia
Annabel Lee se chamar;
Donzela em que outro pensar não se via
do que ser amada e muito amar.

Eu era criança e criança ela também,
num reino junto ao mar,
nos amamos com amor imenso,
Annabel Lee e eu, de tanto amar
com um amor que os alados Serafins
lá no Céu ousaram invejar.

E esta foi a razão de, tempo atrás,
num reino junto ao mar,
de uma nuvem soprar um vento
e a bela Annabel Lee congelar.
Então seus nobres parentes vieram
para de mim a afastar,
para fecharem-na num sepulcro
no reino junto ao mar.
Os anjos, pouco felizes no Céu,
começaram a invejar: -
Sim! - eis aí a razão (todos sabem,
no reino junto ao mar)
de um vento soprar na noite nublada,
e minha Annabel Lee congelar.

Mas nosso amor era mais forte que o amor
daqueles mais antigos
daqueles mais sábios -
e nem os anjos lá nos Céus
nem os demônios no mar,
Não podem mesmo minha alma
da bela Annabel Lee afastar.

Pois a lua nunca brilha, sem trazer-me sonhos
da bela Annabel Lee;
E estrela alguma surge, mas posso sentir o olhar
da bela Annabel Lee;
E assim, noite adentro, deito-me ao lado
de minha querida - minha vida e minha noiva,
no sepulcro junto ao mar -
em seu túmulo junto ao borbulhante mar.

(Edgar Allan Poe. Trad: Leonardo de Magalhaens)

Deixe um comentário

Adoraríamos saber o que você achou do post!